terça-feira, 17 de março de 2009

Caminho da Indias- Motivação para a aula!



Olá pessoal, estamos de volta em 2009! Bem-vindos e bem-vindas! Nas próximas postagens colocarei alguns textos e atividades que utilizo nas aulas de Ensino Religioso. Espero que possam servir tanto para alunos quanto para professores. Um abraço!


Hinduísmo (Para o 8º ano)
***
Para os Hindus, Brahma é Deus e cria o mundo. O mundo que ele cria não é apenas este mundo externo material, objetivo, governado por princípios físicos e matemáticos. É também o mundo interior e subjetivo dos pensamentos e dos sentimentos.Na verdade, Deus não “cria” o mundo. Ele simplesmente fez todas as criaturas perceberam a sua existência. Esta percepção leva à descoberta. Descobrir é criar.
***
Deus tem várias formas: Ele cria o mundo como Brahma, o mantém como Vishnu e o destrói como Shiva. Um dia, Shiva começou a cantar. A melodia era tão doce que comoveu Vishnu e o fez chorar. De tanto chorar, Vishnu derreteu-se e pôde ser colocado num pote por Brahma.
O pote então foi derramado na Terra e seu conteúdo foi delicadamente abençoando tudo a seu redor, até se transformar no Rio Ganges: Banhar-se no Ganges é banhar-se em Deus.
Como em um círculo, a vida nunca acaba, não tem começo, nem fim. Está em um constante ciclo de idas e vindas neste universo. Não há o que esperar após a morte. Você não sabe o que vai acontecer no próximo instante, para que se preocupar com o que vai acontecer depois dela? Tudo no mundo Hindu é renascimento. Pessoas morrem e renascem. Sociedades morrem e renascem. O cosmo morre e renasce. Tudo vai e volta, como num balanço, como num círculo.
Os brâmanes (sacerdotes) criaram o sistema de castas, que se tornou a principal instituição da sociedade indiana. Sem abandonar as divindades registradas nos Vedas, estabeleceram Brahma como o deus principal e o princípio criador. Ele faz parte da Trimurti, a tríade divina completada por Shiva e Vishnu. De acordo com a tradição, Brahma teve quatro filhos que formaram as quatro castas originais: brâmanes (saídos dos lábios de Brahma), são os sacerdotes considerados puros e privilegiados; os xátrias (originários dos braços de Brahma), são os guerreiros; os vaicias (oriundos das pernas de Brahma), são os lavradores, comerciantes e artesãos; e sudras (saídos dos pés de Brahma), são os servos e escravos.. A margem dessa estrutura social havia os párias, sem casta ou intocáveis, hoje chamados de haridchans, haryans ou "dalits".Estes não podem viver nas cidades, ler os livros sagrados nem se banharem no Rio Ganges.

(Imagem de Shiva: Deusa da destruição ou Transformação)

Fonte:
http://laedevolta.com.br/blog/2007/11/04/hinduismo-mitologias-da-criacao/.







4 comentários:

Ricardo disse...

Prof. Bernadete,

Os primeiros parágrafos deste seu texto são uma cópia direta do meu texto "Hinduísmo: Mitologia da Criação" disponível em http://laedevolta.com.br/blog/2007/11/04/hinduismo-mitologias-da-criacao/.

É uma pena constatar tal fato, ainda mais sendo você uma professora. Como tal, deveria dar o exemplo que cópias devem ter pelo menos suas fontes citadas. Isto também está explícito no meu blog, através da licença de uso sob o esquema Creative Commons: http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/2.5/br/.

Espero que edite seu post e inclua a devida referência ao meu blog tanto no seu post quanto no material que distribui aos seus alunos na sala de aula. E, se fez o mesmo com outros textos, que inclua a referência aos devidos sites e blogs lá também. Um link para meu blog no final do seu não basta. É preciso citar especificamente o link copiado no post específico onde a cópia foi realizada.

Att.,
Ricardo Lage

Prof. Bernadete disse...

Desculpe-me prof Ricardo, inclusive eu indico seu blog como um dos que eu recomendo. Tomarei mais cuidado OK? NO material que distribuo com meus alunos sempre digo que pesquisei da internet e que seleciono os textos mais acessíveis à linguagem deles. Editarei sim fazendo a devida referência. Obrigada pelo alerta!!
Prof. Bernadete

Ricardo disse...

Obrigado Prof. Bernadete. E obrigado pelas visitas ao blog e por usá-lo como referência.

Se quiser mais informações sobre licença de uso de conteúdo, recomendo o site http://creativecommons.org.br/. Em geral, nenhum conteúdo da Internet pode ser usado livremente sem que pelo menos a fonte seja citada nos exatos pontos onde o conteúdo foi utilizado.

Prof. Bernadete disse...

Não há de que Ricardo. Sempre que você postar um texto que seja acessível ao entendimento de meus alunos, não deixarei de copiá-lo. Copiar o bom é melhor que inventar o ruim não é mesmo?..rsrs. Claro que nunca mais vou esquecer de citar a fonte!!!! (depois de um sabão desse, só se eu não tivesse vergonha na cara...hehe)Brincadeiras à parte, o que importa é aprender a lição!!
UM abraço! Obrigada!

A rocha no Caminho (para refletir)


Em tempos bem antigos, um rei colocou uma pedra no meio de uma estrada. Naquele momento ele se escondeu e ficou observando se alguém tiraria a imensa rocha do caminho. Alguns mercadores e homens muito ricos do reino passaram por ali e simplesmente deram a volta pela pedra. Alguns até esbravejaram contra o rei dizendo que ele não mantinha as estradas limpas, mas nenhum deles tentou se quer remover a pedra dali.
De repente, passa um camponês com uma boa carga de vegetais. Ao se aproximar da imensa pedra, ele pôs de lado a sua carga e tentou remover a pedra dali. Após muita força e suor, ele finalmente, com muito jeito, conseguiu mover a pedra para o lado da estrada. Ele voltou a pegar a sua carga de vegetais, mas notou que havia uma bolsa no local onde estava a pedra. Foi até ela e viu que a bolsa continha muitas moedas de ouro, e um bilhete escrito pelo rei que dizia: Todo obstáculo contém uma oportunidade para melhorarmos nossa condição...Pense Nisto... Aquele acontecimento que para você é tão horrível neste momento de sua vida, veio até você para ajudá-lo a crescer! Talvez ele seja a pedra para você ir em busca de algo mais, que pode levar você a uma vida melhor e a conseguir suas realizações!

Diversidade religiosa

Loading...

Para você refletir

A FLOR E O ARROZ

Um sujeito estava colocando flores no túmulo de um parente, quando vê um chinês colocando um prato de arroz na lápide ao lado. Ele se vira para o chinês e pergunta:

- Desculpe, mas o senhor acha mesmo que o defunto virá comer o arroz? E o chinês responde:

- Sim, quando o seu vier
cheirar as flores.

Moral da História: "Respeitar as opções do outro, em qualquer
aspecto, é uma das maiores virtudes que um ser humano pode ter. As pessoas são diferentes, agem diferente e pensam diferente. Portanto, nunca julgue. Apenas tente compreender